Arquivos para categoria: educação musical

Oi pessoal!

Passando rápido pra dizer que neste fim de semana está rolando 50% de desconto pra comprar o Mapping Tonal Harmony PRO – o melhor aplicativo e ferramenta do planeta pra estudar harmonia e percepção.

Tenho usado sempre pro meu estudo pessoal e nas aulas na UNIRIO, e considero uma revolução na visualização das progressões harmônicas.

A versão com desconto é para iPad e iPhone, através desse link: https://itunes.apple.com/us/app/mapping-tonal-harmony-pro/id566767002?mt=8&at=1000lGbi

sc552x414.jpeg

 

Espero que curtam o app! Comentem o que acharam e como estão utilizando!

 

Bom estudo a todos!

 

Cândida

Anúncios

Queridos amigos, ouvintes e amantes da boa* ou má* música!

Nosso ano musical começa agora, inaugurado por um evento para corajosos.

Já ouviu falar em Wagner?
E em Jobim?

Se sim ou se não, nesta quinta feira 13/4/17 assistiremos o grande compositor brasileiro radicado em NY João MacDowell traçar um mapa que liga esses dois gênios da música.

Harmonia e Forma – de Wagner a Jobim

facebook.png

Harmonia e forma: de Wagner a Jobim

Evento gratuito, aberto `a comunidade e imperdível.

Venham escutar uma aula de filosofia, loucuras e música. Até já!

Cândida

PS: Eu acredito que toda música é boa. Se é música, é bom.

Olá amigos,
primeiro post do ano, traz cursos bem interessantes na área de música e educação musical. Boas opções pra quem se reciclar e abrir novos horizontes. Aproveitem!
Cândida

OFICINA: A MÚSICA NO UNIVERSO INDÍGENA

Magda Pucci
18 de fevereiro e 18 de março 2017
Nessa oficina, Magda Pucci estimula a reflexão sobre alguns aspectos relacionados ao repertório de alguns povos indígenas do Brasil buscando compreende-los na sua diversidade cultural; trabalhar a audição e a percepção sobre algumas canções a fim de desmistificar a ideia de que toda música indígena é igual. Atividades como cantar em diferentes línguas indígenas, entrar em contato com conteúdos mitológicos, ouvir o som de determinados instrumentos e suas diferentes formas e materiais, perceber a forma como a música se insere na vida cotidiana indígena fazem parte dessa oficina. Paralelamente à prática, desenvolveremos uma reflexão sobre o papel da oralidade nessas tradições, que se encontra ligada intrinsecamente à musicalidade. JUSTIFICATIVA: O universo indígena é pouco conhecido da sociedade contemporânea por ser considerado “primitivo” e de pouco interesse, quando na realidade, é fundamental conhecer aspectos da cultura indígena para nos termos a verdadeira dimensão da identidade brasileira. Num momento em que se pretende estimular a reflexão e propor caminhos para uma educação mais justa e democrática, é importante compreender a importância desses povos na nossa existência e principalmente aproximar-se de sua forma de pensar para poder compreendê-los melhor. Afinal, são nossos ancestrais que nos fornecerão o lado B da História que precisa ser contada de uma forma mais digna, livre de preconceitos. Vamos buscar compreender aqui a diversidade cultural indígena que temos pouco acesso.

Encontros: Sábados 18 de fevereiro e 18 de março de 2017

MAGDA PUCCI: Musicista e pesquisadora da música de vários povos. Formada em Regência, é mestre em Antropologia e doutoranda em Creative Arts and Performance na Holanda. É diretora musical do grupo Mawaca há 21 anos, onde desenvolve extensa pesquisa de repertório multicultural aplicada à prática musical. O Mawaca tem seis CDs e quatro DVDs lançados e se vem se apresentando em diversos países. É autora de diversos livros, entre eles o guia didático ‘Outras terras, outros sons’ com Berenice de Almeida. Para 2017, Magda e Berenice de Almeida preparam o livro Cantos da Floresta com 25 músicas indígenas e 150 atividades para professores, projeto feito em parceria com apoio do PROAC e Natura, a ser lançado pela Editora Peirópolis. www.mawaca.com.br

DESPEDAGOGIZAÇÃO DA MÚSICA
Prof.ª Drª Regina Marcia Simão Santos
11 março; 1º abril; 06 maio; 03 junho 2017
Considerando que a ação docente é constituída por um marco referencial situacional, teórico e operativo, e que ela se faz num movimento entre o instituído e o instituinte, a questão central “Despedagogização da música?” se desdobra ao longo do curso, ajudando a pensar a imbricada relação ensinar-aprender música na perspectiva de um currículo para a contemporaneidade. Os casos trazidos e as leituras indicadas suscitam uma conversação sobre a emergência de ações que respondam aos desafios atuais para a música na escola, entre o comum e o singular, e em espaços alternativos como os de projetos sociais, revigorando o olhar sobre os cursos de formação de professores.
EMENTA: Música, cultura e educação musical – trajetórias do pensamento e prática do ensino de música na escola básica no Brasil. Imbricações com as tendências do debate contemporâneo sobre educação, pedagogia, didática e currículo. Questões trazidas do campo da arte, filosofia e ciência. Desafios ao currículo na contemporaneidade. Educação musical na perspectiva de uma pedagogia do afeto. Corpo-música, material-força. Música como jogo-cartografia. Sujeitos sociais, mundos musicais e produção de sentidos. Comunidade de aprendizagem: sujeitos cartógrafos. Aprendizagem como experiência de problematização e invenção. Planejamento rizomático e aula como plano de imanência. Alisamentos e estriamentos.

Encontros: Sábados 11 de março,01 de abril, 06 de maio, 03 de junho 2017.

Regina Marcia Doutora em Comunicação, Mestre em Educação, Bacharel em Piano, Licenciada em Música. Organizadora do livro Música, cultura e educação: os múltiplos espaços de educação musical (Sulina) e uma das organizadoras do livro Música na escola: caminhos e possibilidades para a Educação Básica (SESC). Membro do comitê científico e do conselho editorial do Forum Latinoamericano de Educação Musical Fladem Brasil 2015-17. Docente da UNIRIO por mais de 30 anos, atuou na Graduação e Pós-Graduação em Música (Mestrado e Doutorado), que coordenou. Exerceu docência no Conservatório Brasileiro de Música e no Curso de Música do Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil. Professora de música na educação básica por mais de 20 anos, na rede pública e privada (EI e EF), integrou o Departamento Pedagógico da SME-RJ coordenando cursos de formação continuada para professores de Música e para professores das séries iniciais e da Educação Infantil.

AFINAL, CORO INFANTOJUVENIL, JUVENIL OU JOVEM?
Profª Patricia Costa
08 abril; 13 maio; 10 junho; 08 julho 2017
O curso se destina aos regentes, educadores e pesquisadores que tenham interesse na atividade coral para adolescentes e que busquem reflexões e/ou práticas para coro juvenil. As diferentes nuances desta faixa etária ainda causam confusão nas denominações e no material adequado para cada modalidade coral. Abordando aspectos diferenciados do canto coletivo para crianças, pré-adolescentes, adolescentes e jovens, os inscritos são convidados a conhecer, pensar, compartilhar e experimentar estratégias para a prática do coro juvenil, seja este iniciante, intermediário ou avançado. Assuntos como repertório, técnica vocal, direção cênica, leitura de partitura e planejamento da atividade para atrair e manter cantores juvenis serão o ponto de partida para o desenvolvimento do curso. Havendo interesse e oportunidade, Patricia Costa contará com seus corais de adolescentes do Colégio São Vicente de Paulo (SVEF, SVEM e São Vicente a Cappella) como coro-laboratório, em algumas aulas. Que sejamos um ponto de encontro para desenvolver e fortalecer o movimento do coro juvenil brasileiro! (Patricia Costa)
Encontros: sábados 08 de abril, 13 de maio, 10 de junho, 08 de julho 2017.
Patricia Costa dedica-se ao canto coral desde 1978, como cantora e desde 1993 como regente. Licenciou-se em Música. É Mestre em Educação Musical e doutoranda em Práticas Interpretativas, foi contemplada com bolsa sanduíche da parceria CAPES/Fulbright na Butler University (Indianapolis, EUA), como pesquisadora visitante, onde cumpriu estágio entre 2015 e 2016, quando colaborou com direção cênica (Expressive Youthful Ensemble Singing – EYES) e regência de alguns corais daquela universidade. Trabalha com direção cênica desde 1990. Dirige os corais juvenis do Colégio São Vicente de Paulo desde 1993, em atividade contínua. Atuou como professora contratada na UNIRIO, UFRJ e na Pós-Graduação do CBM (RJ), nas áreas de regência de coro infantil e juvenil e direção cênica. Contato: pccantocoral; pcosta

Informações sobre os 3 cursos:
Horário: 9h às 17h Carga horária por sábado: 8h
Local: Conservatório Brasileiro de Música Centro Universitário. Av. Graça Aranha, 57/12º. RJ Metro Cinelândia.
Coordenação: Adriana Rodrigues
Investimento por sábado: R$150,00/R$130,00 Associados FLADEM (fladembrasil.com.br)
Informações: Noemi Teixeira poseducacaomusicalfladembrasil

%d blogueiros gostam disto: